Justiça manda internar menores envolvidos nas mortes de mãe e filho em Porto Velho

Por Rondônia Agora

STYLLYS MALHARIA

A Justiça autorizou a internação imediata de quatro adolescentes de 12, 13, 14, e 15 anos, acusados de terem participação na morte da jovem Fabiana Pires Santana, de 23 anos, e do filho dela, Gustavo Henrique Pires Maciel, 7 anos. Os corpos foram encontrados no domingo e segunda-feira em uma área de um loteamento, na Estrada dos Japoneses, Zona Sul de Porto Velho.

Os pedidos foram feitos na tarde de terça-feira (22), pela titular da Delegacia de Homicídios, Leisaloma Carvalho, juntamente com a delegada titular da Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (DEAII), Gardênia Felícia Cruz.

Todos os menores foram encaminhados para a Unidade de Internação Provisória, onde ficaram à disposição da Justiça.

Crimes

Em entrevista na manhã desta terça-feira (22), a delegada Leisaloma Carvalho, informou que uma menor de 13 anos confessou ter matado a irmã e o sobrinho em uma área de extração de barro em loteamento na Capital.

Ela não está arrependida e friamente narrou como tudo aconteceu, segundo a delegada. A motivação para ter matado a irmã, Fabiana Pires Santana, 23 anos, é que ela era repreendida em casa. Mas narra ainda, que teria sido abusada pelo companheiro da irmã.

Fabiana, que estava grávida, foi atraída para o local pelo adolescente de 15 anos, e atacada a pauladas e golpes de faca na região do pescoço e peito pela irmã de 13 anos. Antes de morrer, ela teve o filho arrancado a força da barriga, pela própria irmã assassina.

O bebê foi levado pelo adolescente de 15 anos, que planejava ajudar a mãe a dar um golpe em um garimpeiro. “A mãe do menor sabia de tudo o que estava sendo armado. O adolescente contou, que Cátia Barros namorava um garimpeiro, e teria pego a criança para dizer que o bebê tirado da Fabiana seria dele”, detalhou Leisaloma.

A assassina disse ainda, que agrediu a pedradas o sobrinho Gustavo Henrique Pires Maciel, 7 anos, e em seguida jogou o menino na lagoa próximo onde a mãe dele foi encontrada morta. A criança não sabia nadar. “Os dois já tinham levado para o local todos os objetos usados no crime, uma barra de ferro, uma faca e um estilete usados para tirar a criança da barriga da vítima”, disse a delegada.